A A r

Pinturas Rupestres de Itiúba

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

Aqui são colocados os mais variados temas relacionados à nossa jovem e querida Itiúba. Em nome de momentos desprentensiosos, sentimos encorajados a abordar o significado das imagens, traços, rabiscos rupestres gravadas em cavernas e até mesmo, em paredões ao ar livre, sujeitas as intempéries, conhecidos, desconhecidos e espalhados por nossas serras.

Como catologar os sítios arqueológicos itiubenses, com desenhos geométricos, animais e figuras humanas e ao mesmo tempo mostrar as pessoas que moram perto dessas pinturas, nossos agradecimentos por ter preservado todos esses conjuntos?

Pergunta que fazemos.

Em nossas serras já foram identificados esses patrimônios na Fazenda Pintada, Pedra Solta, Souza e Urubu. Precisamos fotografar, filmar, pesquisar e implorar para que não destruam esta arte sem dono, sem data e sem autor.

Poderiamos sugerir aos estudantes itiubenses a criação de um Núcleo, com colegas e amigos, voltado exclusivamente para este assunto sob a supervisão da Ong Serra de Itiúba, que seria a guardiã dos monumentos rupestres encrustados e castigados pela chuva e sol, por séculos, a espera de uma manisfestação de apreço aos grafistas anônimos. Poucos riscos e muitos rastros, tudo movido pela paixão que compensa decifrar essas incisões rupestres, que, num dia qualquer do passado, alguém teve uma lembrança de que nunca se está sozinho.

Existem história e estórias de que tais pinturas são sinais deixados em homenagens aos seus antepassados, cheias de ideais capazes de transmitir sabedoria.

Pouco divulgado, porém um assunto palpitante, são esses registros coloridos ou de cor cinza representando fases do cotidiano, como relembrar seus mortos, comemorar grandes caçadas e assinalar caminhos. Cabe supor que a variedade de figuras e traços estão ligadas as coisas vividas. Pinturas, arte, gravura são documentos históricos que testemunham a passagem dos primeiros grafiteiros itiubeneses.

É nossa obrigação organizar equipes treinadas para encontrar e demarcar esses locais nossos conhecidos e os outros que estão por lá. A idade desses tesouros permanece como uma questão controvertida, mesmo quando são pratiacadas as técnicas de datação por carbono radioativo. Mais uma razão para serem preservados.

Ficam os apelos e a pergunta inicial como nosso desafio aos jovens desta terra de belezas deslumbrantes, que guarda segredos mil a procura de desbravadores que se disponham a encontrar os rastros das criaturas pré-históricas que nos legaram suas crenças como um livro aberto com seus enigmas. Vale a máxima de que o importante é participar.

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com