A A r

Chupando o Dedo

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Quando criança, passando em frente de algumas casas, juntamente com meus pais, pude presenciar crianças sentadas nas portas, descalças, sem camisa e com o dedo polegar enfiado na boca. Era comum estas cenas em locais de menor poder aquisitivo. No entanto, próximo a minha residência tinha um menino que não era pobre e ficava durante todo o dia, praticamente sem usar a mão direita para nada, pois não tirava o dedo da boca. Certa vez os amigos pregaram uma para ele que serviu de lição. Contaram a ele que passaram cocô de galinha no dedo que ele costumava chupar, mas que a mãe viu e lavou ligeiro para ele não perceber, pois estava dormindo. Bastou isso para que ele nunca mais pusesse o dedo polegar na boca. Na verdade é um hábito que a criança adquire ainda no ventre da mãe, em razão de sua movimentação, as mãos ficam com freqüência passando junto a boca. A mentira dos amigos veio em boa hora, pois a sua mãe já tinha feito de tudo para o garoto abandonar o vício. Chupar dedo nunca mais.

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com