A A r

O Chá

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Chá para tratamentos bizarros e diagnósticos mirabolantes sempre existiram. Uma xícara de chá gelado ou morno, gostoso ou não, sempre fez parte da cultura brasileira. Tem chá para todos os paladares. O segredo, segundo os aficionados, está no preparar e na necessidade de beber. Para o bom chá coado, infusão ou o popular saquinho é necessário controlar a temperatura da água para cada situação. No sertão, por muito tempo, o chá foi só remédio. Agora passou a ser alternativa do tradicional café. Quando menino ouvia sempre os mais velhos sentenciar, que chá bom é com água de cacimba.

O chá das flores, folhas, raspas, sementes, raízes, quer de pau de rato que cura dor de barriga, de quebra-pedra que ajuda a expelir cálculos renais, da goiabeira para resfriados, sabugueiro para sarampo, pau-ferro para fortalecer o sangue, abacateiro para indigestão, semente de abóbora contra lombrigas, alecrim antiveneno de cobra, alface serve para insônia, algodoeiro para menstruação, alfavaca para coração, angico para as vias respiratórias, arruda para má digestão, babosa para queimadura, bredo como diurético, cajueiro para erisipela, cabeça de frade para bexiga, capim santo como sonífero, capim - açu para fraqueza, cidreira para vômitos, erva doce como calmante, umbuzeiro para desidratação, umburana de cambão para bronquite, umburana de cheiro para constipação, raspa do juazeiro como antiasmático, samambaia reumatismo, pega pinto contra cistite, gengibre para dor de garganta, aroeira como antiinflamatório, chá preto para memória fraca. Todos seguem as regras básicas para preparar e servir. É um ritual de simplicidade que atende as necessidades de doentes em busca da tranqüilidade interior ou mesmo como alimento.

Ainda fazem distinção na hora da fervura da água desta salutar bebida. Chá é água com folhas. Café é água com pó. Para os entendidos o hábito partiu da Índia e da China com perfil fiel e seguido nos hábitos seculares. O pó de café esconde sabores estranhos. O chá não. Dai a água deve ser limpa, sem cloro para o seu preparo e apreciação ao beber como erva medicinal.

Em muitos paises mestres, filósofos e devotos à cerimônia do chá obedecem a um estilo de vida com harmonia, respeito, pureza e paz.

Tomado como remédio ou não, é saudável. Quanto maior o consumo maior é o erro ou acerto ligado a esta prática milenar.

È bom lembrar que todos nos remédios caseiros, cada planta, tem seus benefícios e malefícios. Muitas são prejudiciais. Daí, portanto, para o bem e para o mal, passam a ser considerados como remédio ou veneno e todo cuidado é pouco.

Diz uma lenda que foi o Imperador Shên Nung, conhecido como o “curandeiro divino” que, antes da era Cristã, descobriu o poder de cura dos chás. È provável que essa história não seja verdadeira, mas, com certeza dá um ar romântico a esta beberagem consumida no mundo inteiro.

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com