Os Cavalos do Cazé

Valmir Simões

 

 

 

Crinas bem aparadas, rabo transformado em trança e popa, pelos lavados e escovados, assim eram os cavalos do Cazé.
Eu ainda rapazinho via de perto este zelo constante com seus animais, pois a sua residência era coladinha à casa de meus avós. Criados com todo mimo, na fazenda da serra de Itiúba, respirando o ar puro e alimentando-se nas pastagens abundantes de capim.
O dia de domingo, após a missa da manhã, ele saia com seu cavalo esquipando por todo o trajeto da Avenida Getúlio Vargas, indo e vindo e, às vezes, fazendo parada em frete ao Bar Central do Carlos Pires e ali os amigos, Argeu Teixeira, Cabo Jajá, Nino e Nininho ficavam admirando o rebolado do animal percorrendo a longo trecho sem errar a passada.
O zeloso pecuarista adorava aquela exibição. Na parte da tarde o seu agregado retornava com o animal para a serra


 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com