Os Artistas de Itiúba

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

Eles não foram astros de cinema ou teatro, mas eram chamados de “artistas”. Cada um desempenhava sua profissão com amor e dedicação pensando mais na satisfação do freguês do que na própria remuneração. Foram pessoas que, com sua arte, ajudaram a desenvolver a cidade, numa época em que comprar coisas prontas era quase impossível. Foram vários, e aqui eu vou tentar lembrar-me senão de todos, porém, dos que militaram no meu tempo.

ARTUR TEIXEIRA: Mecânico e ferreiro era quem consertava os pouquíssimos carros da cidade e, de quebra, também consertava as famosas portas de ferro das lojas. Uma curiosidade. Durante os festejos do carnaval era o primeiro a sair às ruas fantasiado de mulher.

BANGO: Fogueteiro que muito antes dos festejos do São João já começava a fazer os fogos para não faltar no mercado no auge das festas. Fazia várias espécies de fogos, porém, sua especialidade era mesmo a famosa “Bomba de bater”.

HORÁCIO PINTO: Fogueteiro especializado em confecção de grandes bonecos de JUDAS para serem malhados no sábado de aleluia. Seus bonecos proporcionavam um bonito espetáculo pirotécnico em um pedestal previamente preparado onde o traidor de Cristo era queimado e estourado.

NININHO FERREIRO: O homem que fazia e consertava todo tipo de ferramentas. Pás, machados, colher de pedreiros, enxadas, espetos, facas, facões, estrovengas, ancinhos, martelos e marretas, com apenas uma velha bigorna e seu velho forno a carvão.

NENEM MARCENEIRO: De sua oficina saiam as portas, janelas, batentes, aduelas e mesas das casas, e ainda fazia os ataúdes para os mortos, ou “caixões de defuntos” como eram mais conhecidos.

BRANDÃOZINHO: O sapateiro que mais fazia sapatos por encomendas, principalmente para a meninada que frequentava a escola Góes Calmon.

ARCELINO RIBEIRO: Carpinteiro. Sua especialidade era produzir tábuas e vigas de madeiras de lei para confecção de móveis, utilizando-se de árvores nobres do próprio município.

MESTRE NÉ: Cabeleireiro. Além de cortar o cabelo de quase a totalidade da população masculina, infantil e adulta da cidade, ainda se valia do direito de contar anedotas e casos dos mais absurdos, só para entreter a freguesia.

MESTRE QUITU: Na arte das confecções fazia de tudo. De calças curtas para a criançada até os mais garbosos uniformes completos (as famosas becas) para os homens importantes da cidade.

Em homenagem á classe, existe merecidamente, uma rua no centro da cidade com o nome de “RUA DOS ARTISTAS”.





Veja Itiúba no YouTube: http://br.youtube.com/watch?v=9PccnmWI3H4



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com