Não Voltaremos...

Egnaldo Paixão

 

 

 

Amigo Fernando,

Não voltaremos a comer piabas no açude e aquela moça, com certeza, com a ação e implacabilidade do tempo, já não é mais a mesma.

Não voltaremos a cair de bicicleta, sexta-feira santa, em cima do Senhor Morto e nós, mortos de vinho.

Não voltaremos a ouvir a risada do Aurélio no Bar do Carlos.

O Teia dando uma surra na bicicleta numa noite de carnaval.

Não voltaremos a ficar intrigados com o Folião Mascarado que chegava pelo Trem da Leste, domingo de Carnaval pela manhã e regressava à noite, bêbado, tuberculoso e emparedado em sua mortalha invariavelmente branca.

Não voltaremos a subir a Serra do Cruzeiro, nós os "penitentes da pinga braba".

Não voltaremos a ouvir os lamentos do "Dazo Grande", chorando bêbado porque dizia ser "o mais desgraçado dos homens".

Não voltaremos a ver Penicilina e o Americano, o Circo do Pedro Coruja e a Maria Pureza com suas pernas morenas e que de tão bem torneadas, levantou o tesão de uma cidade inteira.

Não veremos mais o Cine-Itiúba, a voz do Isnar, a cachaça do Enterrado, Hugo tocando rumbas e boleros, com três meses de trompete. O Paôco, o Berega, a Cantu, o Calanguinho, completando a paisagem diária de nossa terra morena e meiga.

Não veremos o luar vazio da Laje Grande e a sua poesia cheia de silêncio e solidão.

Não veremos nunca os amigos, Biléu, Duquinha, Manoel Carlos, tantos...

Não voltaremos a ouvir a Rádio Cultural, você apaixonado, a jovem morena tentando suicídio e a Rádio tocando "Espera-me no céu..."

Não voltaremos a viver aquele tempo mágico, a não ser mexendo com a memória, porque tudo lá está, guardando uma rosa amarela, que os anos vão desgastando, desgastando, desgastando até o dia em que seremos também memória para os que virão.

Se os que virão depois, saberão dar valor a isso tudo, são eles que irão dizer...

O mundo está ficando cada dia mais seco e guardar uma rosa amarela na memória e no coração, quem sabe, de agora em diante, não seja um exercício cada vez mais impossível





 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com