Itiúba

Antônio Ricardo da Silva Benevides

 

 

 

Do alto da serra do cruzeiro, te admiro

Observo tuas ruas estreitas

Meu olhar de poeta percorre tuas serras

Inebria-me tua rústica beleza


Desço a serra, te abraço

Do teu solo sinto a frieza

De tuas pedras a dureza

E o silêncio que te sufoca


E só após anos a fio

Murmuras em meu ouvido,

Faz-me sentir e entender

O que tua brisa está a dizer


Tuas ruas, tuas praças

Tudo começa a fazer sentido

E eu consigo enfim decifrar

Teu sentimento tão escondido.




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com