O Coité e o Jenipapo

Valmir Simões

 

 

 

Nas chuvas de trovoadas quem comanda as enchentes nas partes mais baixas de nossa cidade são as águas do Açude do Coité que sangram e enchem cacimbas, formam riachos e quem agradece é o Açude do Jenipapo. Nos meus bons tempos de Itiúba era o Jenipapo, o local da farra, dos banhos e do namoro. Eu corria por cima da barragem de cimento e pedra, arriscando a vida, às vezes tentando atravessar a nado de uma extremidade a outra, muitas vezes a título de amostração sob os olhares das garotas.

Participei com amigos, por diversas vezes, de pique-niques, que eram formados por cotação e preparados debaixo de frondosas quixabeiras que existiam na época, geralmente cada qual com seu par. Vodka, Cinzano, Martini e pinga, dominavam o cardápio das bebidas preferidas. O Açude do Jenipapo tem mais histórias do que o Coité e se tivesse olhos e falasse incriminaria muita gente.

Tempos que não voltam mais. Fazer o que, só restam saudades.


 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com