A Cidade Esbelta

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

Que eu me lembre, até a década de 1970, época em que por circunstâncias de trabalho deixei a cidade, Itiúba não tinha pessoas obesas, fossem adultos ou crianças, homens ou mulheres. Com exceção do Abelardo, filho do Dr. Napoleão e do Raimundão filho do Manoel Raimundo que, aliás, nem eram tão gordos, apenas mais “cheios” do que os demais, todo mundo era esbelto são e corado. Várias teses foram levantadas para a citada situação e pelo que eu sei nenhuma chegou a conclusão alguma. Seria a alimentação sadia com cereais, legumes e verduras produzidos no próprio município, a famosa farinha de mandioca da Pindoba, as apetitosas frutas da Serra do Adro, os peixes dos açudes do Jenipapo, do Coité e da Camandaroba, da água salobra ou das carnes oriundas de um rebanho caprichosamente cuidado pelo Argeu Teixeira, Antoni Casé, Ademir Simões e o Béu? Eu acrescentaria que foi tudo isto e mais o clima que segunda várias histórias locais curava até doentes terminais vindos de outras localidades em busca de uma recuperação quase impossível.




 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com