O Dia em que Lampião Tremeu

Valmir Simões

 

 

 

Segundos os historiadores da época, o sanguinário Lampião pintava miséria em grande parte dos estados nordestinos, roubava dos ricos para matar a fome dos mais necessitados, era como se fosse o Robin Hood da Caatinga. Invadir cidades, fazendas, e várias localidades, era uma rotina diária por onde seu bando passava.
Naquele tempo, os mais abastados compravam “Patentes” ou sejam títulos militares que ostentavam como nobreza e muito respeito. Na verdade era apenas uma fantasia, pois não tinham força de comando na área militar, e sim junto a política local e estadual, com predominância junto aos eleitores de cabresto e os menos favorecidos. Usando de artimanhas o Virgulino Ferreira da Silva, O Lampião, possuía um título de Capitão, que não valia de nada pois não foi comprado e sim ele mesmo se denominou Capitão, como um meio de também amedrontar a população da caatinga e pequenas cidades. Segundo o relato de um historiador Itiubense , o nosso conterâneo (Sr. Robério Azeredo) Livro Itiúba e os Roteiros do Padre Severo, que o Cel. Aristides Simões, não permitiu a entrada de Lampião em Itiúba, deixando a cidade
Preparada e armada até os dentes. Lampião desistiu da empreitada, pois se isso acontecesse, seria uma carnificina. Eu tirei uma conclusão: O coronel Aristides tinha uma patente original e era superior ao falso Capitão Virgulino, com sua patente pirata. Lampião foi ciscar em outros terreiros. Itiubense é fogo botou Lampião prá correr.




 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com