Sob a luz do fifó

Valmir Simões

 

 

 

As festa daquele tempo, na nossa Itiúba, sempre aconteciam nos finais de semana.
Existia um grupo unido de amigos fiéis.
Íamos as festas com dois objetivos: divertir-nos e namorar. Se naquele tempo existisse leis de proteção aos menores de idade, muita gente estaria vendo o sol nascer quadrado. Era comum namoro de meninas de menor idade, com pessoas mais velhas, não havia distinção.
Sob a luz avermelhada do velho e fumacento fifó, acontecia de tudo. Comentários existiam no dia seguinte, mas, somente entre os participantes. Alguns amigos, em festas posteriores, no mesmo ou outro lugar, costumava namorar naquela noite com a garota que foi anteriormente do amigo e vice versa, não existia um compromisso real com quem quer que fosse, era apenas pura curtição. E, assim íamos levando a nossa vidinha de solteiro, sem o cabresto dos pais. Conheci um pai que dizia:Meu Cabrito tá solto quem tiver sua Cabrita que prenda.




 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com