A Arataca do Pedro Cajá

Valmir Simões

 

 

 

Qual o Itiubense que não conheceu ou ouviu falar do valente caçador de onças, chamado Pedro Cajá? Alto, forte, sorridente para os amigos e enfezado, de cara amarrada, para o perigoso felino, devorador e sanguinário. Se o assunto era onça, o Pedro Cajá tava lá, pois era um profundo conhecedor dos hábitos e costumes do animal. Não sei se comprou ou ele mesmo fabricou uma geringonça feita de ferro, molas e partes pontiagudas que se entrelaçavam entre si depois que prendia o animal, era como se fosse uma boca aberta a espera da presa. O tal equipamento ficava amarrado a uma forte corrente e esta presa a uma árvore, com cadeado, armada e coberta com folhagem, em um local antes observado como passagem do felino. Quando disparada prendia o animal pelas patas e depois era abatido a tiros e sua carne era vendida ou consumida, o couro e garras exibidos como um troféu na cidade para testemunhar a veracidade do abate do animal.




 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com