O Comércio de Latas

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

Até a década de 1970 o consumo de querosene no município de Itiúba foi muito grande, utilizado principalmente como combustível dos candeeiros em toda a zona rural, e até mesmo na própria cidade, que embora contasse com a energia elétrica à noite até as vinte e duas horas, esta não era estendida a todos os bairros, e o pior, o velho motor da Prefeitura vivia quebrando constantemente deixando a cidade às escuras por longos períodos.

Para os comerciantes do ramo talvez fosse sua maior fonte de renda, pois, além de lucrarem com a venda do precioso líquido, ainda ganhavam também com a venda das latas vazias de 20 litros as quais eram muito utilizadas para carregar água na cidade, no velho e conhecido sistema “Lata d’agua na Cabeça” que foi até tema de música do carnaval.

Nos períodos de seca, a “Lata de gás” como era popularmente chamada, alcançava preços elevados que em muitos casos os comerciantes baixavam até o preço do querosene com a certeza que ganhariam mais vendendo as latas vazias.

 








 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com