Galinha de Mulher Parida

Valmir Simões

 

 

 

Antigamente a mulher grávida seguia algumas normas ditadas ou pela mãe ou pela sogra, pois eram mulheres já experientes na arte de parir, se parir é uma arte, disso eu não entendo, mas lembro muito bem que as coitadas das galinhas eram cevadas com o puro milho e restos de comida, nos nossos imensos quintais. Não existia exame pré-natal, exames laboratoriais sofisticados e a mãe não sabia o sexo da criança antes do tempo. A criança nascia pelas mãos da parteira, sem nenhuma assepsia. Após o parto amarrava um pano na cabeça, tomava cálices de Aguardente Alemã e despertava uma fome voraz, consumindo as gordas galinhas de quintal preparadas para aquela ocasião. Um prato muito delicioso e que dava uma sustança danada e boa produção de leite. Coisas daquele tempo, que não vemos mais em nossos dias atuais.


 






 


 








 




 



IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com