A Prima Pobre do Acordeon

Valmir Simões

 

 

 

Naquele tempo nossas festinhas de ponta de rua, em Itiúba, tinha algo de especial. Não sei bem definir o porquê. Éramos considerados, como:”Ele é filho de fulano de tal”, “É de tal família”. Na verdade não nos aproveitávamos dessa situação para levarmos vantagens em alguma coisa.
Ao som da sanfoninha “Pé de Bode”, a verdadeira prima pobre do acordeon, os rostos colados e suados, mãos grudadas e corpos unidos, rodopiavam no salão, até altas horas da madrugada. Nos rápidos intervalos a garota permanecia junto.
Conhecí um velho amigo, dos tempos da Rádio Cultural, quando as festas aconteciam por lá, que não largava um momento sequer a dama. Ainda me lembro dela, alta, esguia, sorridente, um tanto espalhafatosa, mas uma pessoa muito interessante, uns diziam que era namorada dele e ele negava. E assim, com o decorrer do tempo, o som dos oito baixos, considerado como sanfona de pobre, foram sendo substituídos pelos
acordeons , com muito mais capacidade.


 


IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com