A Força do Poder

Antônio Ricardo da Silva Benevides

 

 

Entre os anos 50 e 60, existia um poder central no Palácio do Governo do Estado da Bahia, que ditava regras nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, que não eram independentes e nem harmônicos entre si, conforme prevê a nossa Constituição Federal.
O Governador nomeava os Prefeitos e Delegados de Polícia e esses nomeavam os cabos eleitorais e inspetores de quarteirão.
Em Itiúba não era diferente, nos povoados de Camandaroba quem mandava era Zé Homem e Joaquim Rocha; em Piaus a família Gonçalves: em Taquari Paulo Ribeiro: em Pedra do Dórea  o Cazuza; em Ponta Baixa  Manoel Dias e Jovino Neri; em Pico Nezinho; em Cacimbas Martim e Serapião; em Jacurici da Leste  Nozinho, Evilásio e Bigodão  em Pedra Solta, a família Dasceno na Serra de Itiúba, Erasmo Pinto no Sítio dos Moços, Lindô  em Covas, Leonardo no Alto do São Gonçalo, Rominho e João da Cruz e no Pau Branco  a família Bié.
Era assim, no tempo em que a democracia não era respeitada e o povo sem voz e sem vez.

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com