As Boticas de Itiúba

Valmir Simões

 

 

 

 

Recentemente, passando pelo Vale do Jequiriçá, me deparei com uma Botica do século passado, daquelas da minha terra, onde os remédios eram, praticamente, guardados em armários de madeira protegidos com frente de vidro finamente decorados, os medicamentos ficavam protegidos de calor e poeira, o que não ocorre nos dias de hoje. Lembro-me que tanto D.Ziru, quanto o Soares, usavam pequenos espanadores com penas de rabo de galo para espanar a poeira que por acaso ficava na frente dos vidros mas não em contato com os remédios. Por falar em remédios, ainda me lembro de alguns: Cibalena, Veramon, Melhoral e Fontol, serviam para as dores de cabeça, Vigoron era um ótimo restaurador capilar, Astringosol um bom enxaguatório bucal, Água de Maravilha para cortes e ferimentos, Gotas Binelli acalmava a tosse, enfim uma infinidade de medicamentos de muita utilidade naquela época. As boticas de antigamente, ou Pharmácias com PH, cederam lugar a um verdadeiro supermercado de remédios, onde se vende chocolate, sorvete, tintura para cabelo, cartões telefônicos, cargas para celulares, sabonetes, etc. Tenho saudades do antigo, não troco pela modernidade de hoje.

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com