Quebra - Carros

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Nas décadas de 1950 e 1960, a rapaziada itiubense criou uma inusitada brincadeira chamada “Quebra -carro”, tão emocionante quanto perigosa, que era descer as mais íngremes  ladeiras  acidentadas e até pequenas serras ao redor da cidade a bordo de carrinhos rudimentares feitos de caixotes de madeira inclusive as rodas, e com um agravante. A geringonça não dispunha de freios.  Quem se atrevesse descer as ladeiras teria que ir até o fim com a cara e a coragem, rodando, capotando  ou rebolando, pois não tinha como fazer a “Ferrari tupiniquim” parar.  Mesmo assim, eram muitos os malucos que tentavam, e alguns resultados eram os mais desastrosos possíveis. Pouquíssimos conseguiam chegar embaixo sem nenhum acidente, e dificilmente os carrinhos chegavam inteiros.

Lembro-me ainda que, os dois melhores pilotos desta estranha Fórmula 1 inventada em Itiúba, foram  o Caio, filho do velho Inocêncio (que apesar do nome não caía), e o Zé da Cabocla. Dificilmente eles deixavam o carrinho virar.  O segredo talvez fosse porque ambos eram os donos dos melhores carros e conhecessem  os seus segredos.

Crianças não podiam participar. Era muito perigoso para a idade. Também, pudera! Os pais não deixavam entrar numa maluquice desta...

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com