A Cidade e a Música

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

A cidade de Itiúba sempre foi amante da música, e não foi sem propósito que em tempos passados chegou a ter até duas filarmônicas – a 2 de Julho e a 8 de Dezembro -  que animavam as festas populares de largo, e ainda se transformavam em orquestras para animar as festas dançantes dos clubes locais, e promover o velho e conhecido carnaval mais famoso da região. E tem mais, os músicos e os maestros tocavam de graça, e os mais remediados até compravam seus instrumentos com dinheiro do próprio bolso, tudo por amor a música, a arte e a cidade. Sou testemunha, pois na década de 1950 participei da Banda 2 de Julho e respectiva orquestra tocando trompete.

Que bom se ainda fosse assim hoje nestes tempos globalizados, onde a meta é o lucro fácil acima de tudo, e de todos.

Mas, parece que nem tudo está perdido.  Graças ao maestro Evilazio - com quem eu aprendi a música naqueles velhos tempos  -  e que, apesar de hoje estar com mais de 80 anos e com problemas de visão, ainda incentiva os jovens itiubenses  aprender esta bela e atraente arte, e  também  o nosso amigo Egnaldo Paixão, que criou e mantém  a importante Escolinha de música Maestro Bugué, pela qual arregimenta jovens para o mundo mágico da música, dando-lhes oportunidades que, sem esta ajuda não seria possível.  Aqui vão os meus parabéns a ambos, que estão tentando não deixar esta tradição morrer como tantas outras que já não existem mais na cidade.

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com