ESCOLA GOES CALMON II

Ivan de Carvalho

 

 

Isso devia ir para Hugo, mas não tenho o e-mail dele (como não tenho também o do Wilton que, se não tem um homônimo que andou escrevendo em A TARDE sobre o assunto, é um perito baiano em astronomia).


Mas é que li as lembranças do Hugo sobre a Escola Góes Calmon e me tocaram, não tanto pela citação do meu nome, mas de minha mãe (ela partiu há quatro anos) e a afirmação dele sobre a sorte de ter sido aluno dela.

Quanto àquele negócio de poesia, eu realmente gostava muito, uma vez até declamei uma na Rádio Cultural de Itiúba (era moderna, sem rima, uma prosa poética, de autoria da professora Lygia (o nome era com y, ela fazia questão) sobre "O Juazeiro da Estação", sob o qual se abrigavam os "retirantes" que acampavam provisoriamente em Itiúba. Tinha um prêmio, uma ou duas caixas de chicletes daquelas Adams com dois tabletes cada. Não ganhei nada.
Meu irmão Maurício ganhou, cantando uma zorra de uma música que dizia "fica com os olhos feito um jacaré, ué", um troço que eu achei todo desafinado, mas as outras pessoas não foram da mesma opinião. Não sei como ele não teve vergonha de mandar aquela suposta melodia para as "dezenas" de alto-falantes espalhados pela cidade...

Eu tive a mesma sorte do Hugo, só que em grau maior. Fui aluno da professora Lygia do primeiro ao quarto ano (não fiz o quinto) e tirava as melhores médias, nos quatro anos, em todas as matérias (a professora me ensinava em casa também, claro, creio que o segredo era este, pois a partir do primeiro ano de ginásio não conservei mais qualquer característica de superdotado), apesar da Eleneide, filha do Carlos Pires, ficar me perseguindo e conseguindo sempre o segundo lugar. Lembro que uma vez tirei uma nota oito e chorei de raiva. Só achava bom de 9,7 para cima.

Quanto às poesias, havia duas maneiras de declamar: "com gestos" e "sem gestos". Com, antes precisava treinar. Sem, não tinha treino, mas ficava como se fosse um poste, paradão, braços ao longo do corpo, imóveis, só piscava os olhos e movia o maxilar inferior. Ridículo. E o Hugo ainda achava bom!!!.....

 

SOBRE AS ESCOLAS DE ITIÚBA LEIA TAMBÉM:

- A ESCOLA GOES CALMON I (pág.71) - Hugo Pinto de Carvalho
- ESCOLA GOES CALMON III (pág.141) - Valmir Simões
- A ESCOLA DE DATILOGRAFIA (pág.111) - Valmir Simões
- A PROVA DOS NOVES (pág. 99) - Valmir Simões
- O SÁBIO QUITU (pág.80) - Ivan de Carvalho
- A ESCOLA GOES CALMON IV (pág.284)

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com