O Tamanco

Antônio Ricardo da Silva Benevides

 

 

 

 

Ainda criança, observava aqueles dois homens magros, de cor clara, cabelos lisos, narizes afilados e falando muito rápido, eles trajavam camisa e calça caqui e calçavam “tamancos”. Até então, eu não sabia que se tratava de dois netos de portugueses, que vieram de Salvador, casaram em Itiúba com duas filhas do Cel. Francisco Simões.
Eles se estabeleceram na Av. Getúlio Vargas. Antonio de Castro, explorava o ramo de panificadora e gêneros alimentício, enquanto que João de Castro produzia e comercializava pães e biscoitos, tendo como padeiro o “Arcenio”.
Além disso, João de Castro, no período junino, comercializava fogos de artifícios, e sempre usava o jargão, “fogos adrianinos, os melhores para os meninos”.
Lembro-me muito bem, de que ambos eram dedicados e progressistas, vivam exclusivamente para o trabalho.
Tive a oportunidade de nutri uma amizade saudável com um dos filhos de Antonio de Castro, apesar da diferença de idade, tivemos boas relações, estou falando do meu inesquecível amigo Mariano Castro, uma grande figura humana, caridoso e sensível, amante da vida e da natureza.
O tamanco ficou gravado em minha mente, e ultimamente ao visitar as cidades de Bruxelas e Amsterdam, constatei que várias lojas, comercializam o “tamanco”.

 

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com