A Estrada de Ferro

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Poucas cidades tiveram ou tem o privilégio de ter uma estrada de ferro passando justamente pelo centro da cidade, e Itiúba ganhou esta vantagem desde os remotos anos de 1887 quando seu território era ainda um mero povoado subordinado à Vila Nova da Rainha, hoje cidade de Senhor do Bonfim.

O trem de passageiros até sua desativação no final da década de 1960, era na época o único meio de transporte da cidade para Salvador, porque ainda não havia nenhuma linha de ônibus. A estação ferroviária nas horas da passagem do mesmo, principalmente aos domingos, era ponto de encontros e diversão de quase todo mundo, ainda que, a parada do trem fosse de apenas alguns poucos minutos. Para dizer a verdade, aos domingos à noite nada começava antes da passagem do trem, o que ocorria entre as 20,00 e 21,00 horas. Festas, sessão de cinema, comemorações, atos públicos ou qualquer outro compromisso, só seria possível depois da passagem do trem. Já era mesmo uma mania!

Depois disto, restaram apenas os chamados trens de cargas que, não conseguindo concorrer com os caminhões e carretas, estão hoje limitados a transportar minérios brutos da região, para o Centro  Industrial de Aratu e Complexo Industrial de Camaçari, em Salvador, e comboios de carros-tanques de combustíveis de Salvador para Juazeiro.  

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com