Folheto Militar

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

Na década de 1960 era comum a Marinha, o Exército e a Aeronáutica, enviarem folhetos gratuitos para as cidades do interior por intermédio dos correios, incentivando os jovens maiores de 18 anos seguir a carreira militar, e isto despertava muito a curiosidade da garotada que tinha pouca oportunidade de emprego. Parecia fácil, mas não era bem assim. Primeiro, os pretendentes teriam que ter autorização por escrito de seus relutantes pais, talvez a tarefa mais difícil. Segundo, seriam obrigados a residir em Salvador em casa de parentes, pois não era dado alojamento. E terceiro, seriam submetidos a provas de aptidão e exames de saúde, e ainda era exigida uma dedicação total. Por isso, foram pouquíssimos os que se beneficiaram em Itiúba.

O jovem Antônio Paulino, por exemplo, não conseguiu sua vaga almejada para a aeronáutica, mas em compensação, ganhou dos amigos o apelido de “Cadete” pelo qual ficou mais conhecido na cidade, que seu próprio nome.

 




 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com