A Primeira Poupança

Valmir Simões

 

 

 

Antigamente se guardava dinheiro dentro ou embaixo do colchão, principalmente na nossa Itiúba, que naquele tempo não tinha Banco. Tudo dependia da vizinha cidade de Senhor do Bomfim. Juntar um dinheirinho sempre é bom pois desaperta a pessoa na hora do sufoco, como diz o ditado: “Quem poupa sempre tem”. No nosso tempo não era diferente, ainda me lembro das feira aos sábados, onde no meio de panelas, aribés, pratos de barro, etc, lá estavam pequenos mealheiros redondos, feitos pelas mãos dos taperenses (Oleiros da Tapera) que dominavam o comércio de artigos de barro nas feiras de Itiúba e redondezas. Moedas de todos os valores eram colocadas no meu cofrinho de barro. Com o auxílio da lâmina de uma faca de mesa o acesso às moedas se tornava fácil, para comprar o que desse na vontade. Os nossos pais nos ensinavam a poupar através dos nossos mealheiros, originários da feira ou vindos de centros mais adiantados e em diversos formatos, como: porquinhos, casinhas etc. Ma, o meu preferido era “Made in Tapera”.




 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com