Padaria Santo Antônio

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

Na década de 1950, o empresário Almir Ferreira resolveu instalar uma moderna padaria na cidade e, para isso, além de caprichar nas novas instalações do estabelecimento que ficava na avenida Getúlio Vargas o qual deu o nome de “Padaria Santo Antônio”, ainda contratou um famoso padeiro da capital, conhecido como “Seu” Barbosa, que criou vários tipos de pão, e também determinou que só fosse usada a água dos mananciais da Serra de Itiúba. Todos os empregados eram obrigados a usar fardas, luvas e toucas, e os pães passaram a ser assados à tarde, ao contrário da concorrência que assava pela madrugada, e eram embalados em sacos próprios, de papel com o nome estampado da padaria, ao contrário das outras panificadoras que não embalavam o produto. O freguês era obrigado a levar aquela tradicional sacolinha de pano, que muitos chamavam de mochila de pão.

No início, talvez pela novidade o negócio fez grande sucesso, mas parece que a população gostava mesmo era daquele velho e tradicionalmente torrado pão de sal, feito á moda antiga e em formato de um charuto das antigas padarias, pois a inovadora panificadora logo fechou suas portas.

 




 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com