Pão e Pólvora

Valmir Simões

 

 

 

Sempre que se aproxima o mês de junho tenho boas lembranças da minha terra. Coisas engraçadas e estranhas daquele tempo não há como esquecer. “Não tendo a cabeça do Índio, não é Fogos Caramuru”, assim era a propaganda daquele tempo, estampada nas prateleiras improvisadas e ornamentadas com bandeirolas, na velha e antiga padaria do Seu João de Castro. Entre pães, bolachas, bolachões, biscoitos cavaco, etc., lá estavam bombas, traques, foguetes, espadas, cobrinhas, as perigosas bombas de bater e uma infinidade de produtos pirotécnicos, um verdadeiro paiol de pólvora, no centro da cidade. Acredito que por detrás de alguma das portas existia aquela plaquinha que dizia: “Deus esteja nesta casa” e estava mesmo, pois no beco do açougue eram feitos testes dos fogos e nunca aconteceu nada.





 


 

 




 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com