O Passado não é Tempo Morto

Valmir Simões

 

 

 

Costumo dizer que quanto mais escrevo lembro-me de coisas que o tempo não vai apagar. Tempo de criança não se esquece e ainda mantenho recordações, por incrível que pareça, do nosso cineminha feito com uma lata de querosene, quando o Guiga, pai do amigo Lourival, residia no depósito do Valadares, bem no centro da nossa velha e amada Itiúba. Velhos pedaços das revistas Gibi, Flecha Ligeira e Mandrake eram cortados, colados e enrolados em um carretel com um arame grosso que passava de um lado a outro da lata e na extremidade formava uma manivela, que quando girava, por um buraco na lata, começava a passar as figurinhas. Uma brincadeira boba de criança, na sua plena ingenuidade. De vez em quando dava um pulinho até a venda do meu pai ali pertinho e, com as mãos cheias de caramelo, distribuía as guloseimas com ele e sua irmã quando juntos brincávamos por um longo período. O amigo Lourival era uma pessoa muito querida do meu pai José Simões. Não deixemos que o passado apague as boas lembranças do nosso tempo de criança.


 



 

 





 


 

 




 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com