Iluminados pela Luz da Lua

Valmir Simões

 

 

 

Naquele tempo, depois das 22hs a maioria da população da nossa velha e amada Itiúba já estava no primeiro sono, no entanto os boêmios, ou aqueles parentes da coruja, nem estavam aí, para o breu da noite. Uns faziam da balaustrada o ponto do bate papo, o encosto dos bêbados, os fuxicos da vida alheia, as histórias de lobisomem e tudo mais que vinha na imaginação. Se fosse em um final de semana, da sexta-feira para o sábado aí o movimento dos que não tinham o que fazer virava os ponteiros do relógio lá para as duas e meia ou mais alguma coisa, outros chegavam a ouvir o cantar dos galos dos quintais do Aurino, João do Prado, Joaninha, Celidônia, etc. Na verdade todo mundo criava galinhas e galos em quintais, para um bom ensopado de molho pardo, prato muito apreciado pelos nossos patrícios. Pois bem, deixemos as galinhas e galos de lado e vamos falar quem não faltava neste local? Iluminado pela luz da lua, agarrado no braço do “Boca do João Martins” lá vem ele o primo Hélio Simões com seu inseparável sax alto. Ali era o porto seguro para iniciar os primeiros acordes da serenata improvisada, que podia acontecer ou não, a depender do dono do instrumento, ou pela opinião do seu fiel condutor, em razão do primo não enxergar, mas com um ouvido afinadissimo. Bons momentos, Velhos tempos, Boas noites sob a luz prateada do luar itiubense.


 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com