Os Magarefes de Itiúba

Valmir Simões

 

 

 

 

Antigamente, na nossa velha e querida Itiúba, o Açougue Municipal ficava localizado na principal avenida da cidade, o que não era muito comum em outras localidades. Era um cartão de visita daqueles cachorros latindo e brigando pelas pelancas e pedaços de ossos dos animais. Folhas e galhos de um arbusto denominado “Cururu” que serviam para forrar o carro de mão que trazia os animais abatidos lá na matança, ficavam largados na sarjeta. Couro, vísceras, cabeça, fato e demais pertences, eram separados e, normalmente, os compradores já estavam a espera. Esse tipo de serviço era executado pelos “Magarefes”, pessoas habilidosas para esse tipo de trabalho, como o Ló e seu filho Adelino, que, também, separavam os pedaços, de carne de 1ª., de 2ª., com osso ou sem osso. Os magarefes, também conhecidos como “Carneadores”, tinham orgulho da sua profissão, já que não era muito comum, em Itiúba, pessoas com esta qualificação. Existiam outros, mas estes eram os mais conhecidos e solicitados, pela sua experiência.

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com