O Vale e a Serra

Egnaldo Paixão

 

 

 

 

Os olhos se perdem no vale
e o vale se perde entre serras.

Um dia foi silêncio e areia branca,
e invejava a fartura da serra,

As serras são todas bem altas,
mas uma se fez diferente.

É a mais fértil de todas,
e guarda algumas curiosidades.

O clima é fecundado sempre
por uma brisa que vai e volta.

Chamam Lage do Céu,
o pedaço de abismo aonde não se desce.

Até um chapéu, que se jogue
vai e volta para quem o jogou.

As outras, são serras independentes:
Serra do Velho, Serra do Souza, Serra do Cruzeiro.

A fértil e curiosa é a serra da cidade,
do vale e de todo o mundo...

De todas que circundam o vale,
foi lá que índios e portugueses deitaram pouso.

Ergueram capela, fizeram casas.
criaram gado, plantaram café...

Ah! Serra de Itiúba, cidade que não se fez,
tens mágoa do vale e de suas abelhas?

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com