O TESTE DO NÚMERO QUATRO

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

Entre os bêbados das farras itiubenses existia um teste, criado por eles próprios, para saber quem estava mais sóbrio (ou mais bêbado?), e o negócio era mais ou menos assim:

O cara tinha que ficar de pé, sem se apoiar em nada - o que já era difícil para quem estava de “porre” - e, em seguida, dobrar uma das pernas até a altura do joelho da outra, para formar o número quatro, e ficar nessa posição alguns minutos sem se mexer. Se considerar que os beberrões enchiam a cara logo cedo, era impossível algum deles conseguir passar no tal teste, e isto só servia de motivo para continuar a bebedeira. Corria até aposta entre eles, e não é difícil adivinhar que o troféu era mais uma rodada de cachaça que seria paga pelo perdedor. E, como todos perdiam, sobrava cachaça para todo mundo.

 

 

 

 

 

 

 


 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com