O MINGAU DE QUEIXINHO

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

 

Em 1950, logo após a Copa do Mundo, os torcedores itiubenses, talvez querendo esquecer “A Tragédia do Maracanã”, quando o Brasil perdeu para o Uruguai, resolveram organizar um torneio de futebol entre as ruas da cidade, que foi realizado ainda no pequeno campo do Alto do Vintém, local em que, depois, foi erguido o prédio do Ginásio Municipal Antônio Simões Valadares.

Com os melhores jogadores, a rua do corte inegavelmente era a favorita e, por isso, chegou fácil a final. Porém, o que ninguém imaginava aconteceu. O Queixinho, seu melhor jogador, goleador e líder em campo, não fez nenhum gol, e manteve-se visivelmente irreconhecível durante toda a partida. Resultado: a rua da estação ganhou o jogo e foi a campeã do torneio.

Descobriu-se, depois, que o Queixinho “fez corpo mole” em troca de vários copos de mingau de milho, pagos por um fanático torcedor da equipe adversária. Ele sempre negava o fato, mas suas explicações e desculpas para o ocorrido não convenciam os irados e inconformados torcedores e diretores da equipe derrotada que, por muitos anos, lhe barraram em outros jogos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com